20 de jan de 2010

Introdução

Estou cansado.

São tantos os problemas e as dívidas que passei 2009 aflito e 2010 não me parece sorridente também: sei muito bem que o mundo está acabando, mas não adianta viver em desespero por causa disso.

Não sei bem o motivo, mas enquanto consertava o computador de um cliente numa dessas tardes quentíssimas, acabei entrando nesse tal “Colheita Feliz”… e a curiosidade fez o resto.

Sei muito bem que é pura alienação e perda total de tempo, mas eu estava verdadeiramente precisando de algo assim, bem bobo, bem inútil para servir como válvula de escape para tanta ansiedade e, algumas vezes, frustrações.

No final das contas, esse jogo acaba não sendo tão inútil, pois me põe em contato “direto” com muita gente que fez parte da minha vida, mora em meu coração e hoje em dia já não está tão perto. Apesar de, teoricamente, o Orkut oferecer essa possibilidade, eu não fico fuçando a vida de ninguém e mal leio os recados… desculpem a sinceridade.

Mas o jogo, por ser dinâmico, acaba permitindo um tipo de interação que me permite “ter notícias” de muita gente que, de outra forma, eu nem teria idéia de como está. Por exemplo:

Gente da minha família que eu não vejo faz tempo: todo mundo trabalhando… tem gente até no exterior!

Tem uma menina que estudou comigo no primário e no ginásio… ela é a minha top-top!

Encontrei meu amigo-irmão, Fábio, que hoje está em Minas como oficial da FAB!

Tem alguns amigos que estiveram na EEAr junto comigo… Cara! A gente ainda tá vivo! A “super” branca foi, sem dúvida, o início da ansiedade que me levou à síndrome de pânico.

Aí vocês podem me achar maluco por achar essa uma forma de interação, mas eu penso que, na hora em que cada uma dessas pessoas vai lá cuidar da sua colheita, pode nem perceber, mas está dando um sinal de vida! Tem gente importante: enfermeira, oficial, controlador de tráfego aéreo, músicos… todo esse povo, na hora em que está mexendo na sua colheita, está deixando seus títulos de lado e brincando feito criança.

Eu, que sou louco, observo que alguns só conseguem acessar à noite enquanto outros entram várias vezes ao dia. Cada vez que eu “entro” na fazenda de um de vocês, saibam que estão sendo verdadeira e carinhosamente lembrados: voltei a orar por muita gente que, admito, tinha esquecido…

Ah! Por favor, não reclamem das coisas que pego! Esse negócio de ficar andando de fazenda em fazenda cansa muito e comer uns vegetais, beber um leite… isso é o mínimo que se pode oferecer a uma visita!

Atualmente, aqui em casa estamos eu e a Carina meio que viciados no negócio: casal que joga junto… não reclama um do outro! Ô vício!!!!

Às novas pessoas que estou conhecendo por causa do jogo, muito obrigado por me adicionar e saibam que apesar de, no jogo, eu quase sempre ser o maior sovina, pelo menos uma vez por semana eu me obrigo a deixar tudo disponível para todos durante um bom período… é o que chamo de “festa da fruta”! Logo vocês verão!

Resolvi fazer esse blog porque há certas coisas no jogo que merecem ser comentadas… a falta de um manual esclarecedor deixa muitas coisas “nebulosas” e espero que minhas próximas postagens possam até ajudar a esclarecer as coisas para algumas pessoas.

Não sei o rumo que esse blog pode tomar, mas não tenho pretensões quanto a isso: mesmo que sirva só para trocarmos algumas idéias sobre o jogo e jogar conversa fora… já vai ter valido a pena!!!

Bom… é isso! Um abraço para todos e vigiem suas hortas que o fazendeiro mascarado está a solta!

Postar um comentário