21 de jan de 2010

Margem de Segurança

Logo que comecei a jogar me senti muito mal por ter de roubar a fazenda de meus amigos e, pior ainda, quando descobri que havia sido roubado. Imaginei até que minha fazendinha iria à falência!!

Imagino que essa sensação atinja a maioria dos jogadores e acho até engraçado que uma de minhas amigas, a Úrsula, tenha reclamado comigo que eu a tenha roubado logo em nossa primeira interação: ela queria ser “ajudada”…

Vou falar sobre como ajudar no futuro, mas o roubo é uma das principais formas de interação neste jogo, já que enviar flores custa caro (tempo e dinheiro) e não podemos presentear as pessoas com sementes ou itens agropecuários colhidos.

A questão que quero expor nessa postagem é que o sistema criado tem uma “margem de segurança” que impede que outros jogadores continuem nos roubando assim que algo em torno de 25 a 30% de nossa produção tenha sido levado. Imediatamente entra no ar aquela mensagem: “Por favor, eu não tenho mais nada sobrando”.

Outra coisa interessante é o sistema randômico que calcula as unidades que roubamos: na maioria das vezes se rouba apenas uma unidade de cada lote, mas em algumas oportunidades o sistema fica bonzinho e deixa que se levem 2, 3… até 4 unidades em um único clique!

Então, fique sabendo que NINGUÉM VAI A FALÊNCIA por ser roubado em “Colheita Feliz”, pois seria muito frustrante e, é claro, afastaria jogadores. Esse definitivamente não é o objetivo da paymentez: mesmo não colocando um servidor decente para suportar o tráfego de tantos jogadores simultâneos aqui no Brasil, eles gostam muito de receber dinheiro de verdade para nos “premiar” com as famosas “moedas verdes”.

Depois de meu breve mal-estar inicial e graças ao tempo que passo lidando com computadores, acabei me tornando um assíduo freqüentador das colheitas alheias e agradeço muito àqueles que graciosamente me ajudam a passar o tempo, galgando níveis mais altos e, quem sabe um dia, aprenda a agir tão altruisticamente  quanto eles…

Dedico essa postagem especialmente ao Adilson Ignácio, ao “Paulista” Jr. e à Ana Paula João.

Postar um comentário